Você está em Notícias / Notícias

2ª MISSÃO EMPRESARIAL GEMARQ - DUBAI - ABU-DHABI

11.12.2013

Como definir Dubai? A Las Vegas das Arábias? O playground dos arquitetos? Uma cidade- escola-de-samba, plena de alegorias e adereços? A Itu do Oriente?...

Mesmo após 10 dias de viagem, ainda é difícil achar uma resposta única. Com mais de dois milhões de habitantes, uma impressionante rede de autopistas e muitos dos maiores prédios do mundo, Dubai se estende ao longo do Golfo Pérsico, sugando todos os recursos naturais disponíveis para manter sua veia pulsante. Um dos maiores consumos de água do planeta, completamente dessalinizada do mar, permite uma vegetação frondosa e abundante o ano inteiro. Turbinas a gás geram a quase totalidade da energia da região, propiciando o uso indispensável de condicionamento do ar no verão com temperaturas que chegam a 50 graus. Por fim, ou melhor dizendo, no início de tudo, vem a extração de petróleo, que propiciou, a partir da década de 60, o enorme desenvolvimento da região. Crescimento rápido, porém bem planejado, que atraiu pessoas de todo o mundo para Dubai, terra livre de impostos.

Pessoas... um fator muito interessante de Dubai. A cultura muçulmana é predominante, mas talvez pelo fato de grande parte da população ser estrangeira, os hábitos são menos rígidos que nos países lindeiros. Mulheres de abaya e burqa, homens de kandurah, visões normais e contrastantes com as européias de longos saltos e curtas saias que circulam pelos maiores shopping centers do mundo.

A arquitetura e urbanismo da cidade impressionam. Não necessariamente pela beleza, item invariavelmente raro de se achar. Imponência, exibicionismo, adensamento, cuidado com a coisa pública e qualidade nas construções estão no DNA da cidade. O melhor e o pior que o dinheiro pode comprar em arquitetura e urbanismo. Por sorte, o melhor é tão bom que suplanta toda a média da estética “novo-rico” espalhada, com profusão de adereços, exagero de proporções e muito brilho dourado.

Reunidos em um grupo de 9 arquitetos, visitamos um pouco de tudo, do bom e do ruim, experiência fascinante. Em alguns casos o bom e o ruim têm o mesmo nome. Caso do famoso Burj Al Arab, o “hotel em forma de vela”, implantado sobre o mar, talvez o prédio com a fachada mais bonita da cidade e das melhores do mundo. Toda a beleza estética externa é retorcida, exponenciada, multicolorida, metalizada – tudo ao mesmo tempo – quando se entra no hall. Tudo aquilo que você já viu em filmes sobre a Arábia, sobre sereias e mitos, está ali, no maior índice de informações de decoração por cm² da Terra. Jantamos no restaurante Al Muntaha, a 200 m do chão, localizado no volume em balanço sobre o mar. Experiência inesquecível, tanto pela qualidade da comida quanto pela conta ao final do programa...

Outro marco visitado foram as Emirates Towers, conjunto de prédios comercial, corporativo e hoteleiro do final da década de 90, feito pela arquiteta Hazel W.S. Wong, do Norr Group Consultants. Até hoje se sobressaem pela beleza da implantação e solução plástica.

Próximo à Marina Dubai, o grande destaque fica por canta da Cayman Tower, conhecida também por Infinity Tower, em que cada pavimento é rotacionado pouco mais de um grau, completando forma semelhante à do DNA humano até chegar ao topo, 306m acima. O projeto, inaugurado este ano, é dos arquitetos Ross Wimer e George J. Efstathiou. Com estética simples e grande complexidade estrutural, sua beleza escultural impressiona.

A maior surpresa – em todos os sentidos – foi o Burj Khalifa, o mais alto prédio do mundo com 828m de altura (cerca de 200 andares), projetado pelo arquiteto americano Adrian Smith (Ex-SOM – Skydrome, Owings an Merrill até 2006). É realmente chocante ver um prédio tão alto, tão destacado do entorno. A sensação é de que ele não existe, é uma maquete, uma projeção, algo intangível, inefável. Brilhante, torneado, fica naquele ponto exato em que não há detalhes de mais nem de menos. Suas proporções são impressionantes em tamanho e qualidade. É gigantesco, mas não é agressivo – se esvai no ar, reduzindo gradativamente seus pavimentos com plantas baseadas no desenho de uma flor local. Aos seus pés, encontra-se o Dubai Mall, maior shopping center do mundo com mais de 1200 lojas e um grande lago artificial, que de hora em hora brinda os visitantes com um show de fontes, realmente muito bonito e por vezes emocionante. Para sorver tudo o que podíamos do lugar, jantamos numa sala reservada para o grupo no At.mosphere, restaurante do hotel Armani localizado no 122º andar. Inesquecível, a experiência gastronômica e de sentidos.

Visitamos também a feira de Construção BIG 5, a maior do Oriente Médio. Realmente muito grande, com produtos de todas as áreas relacionadas à Construção Civil. Duas conclusões: a China está presente em tudo e temos acesso a praticamente tudo o que foi visto por lá aqui no Brasil, ainda que a preços proibitivos.

Abu-Dhabi, a capital dos Emirados Árabes, foi visitada em um dia, no qual percorremos alguns dos marcos arquitetônicos locais. A Grande Mesquita, inaugurada em 2007, é realmente impressionante, com todas as paredes e colunas em mármore trabalhado em alto relevo, além de um “pequeno” tapete persa no interior com mais de 5.000 m². Mulheres têm que entrar com o corpo todo coberto e as desprevenidas recebem uma abaya emprestada para poderem fazer a visitação. Entramos no Emirates Palace, hotel de luxo com decoração em mármore e ouro, do qual se tem uma bela vista do conjunto das Etihad Towers, composto por 5 torres projetadas pelo DBI Design, a mais alta delas com 305m de altura. Fomos ainda ao Ferrari World, parque temático coberto e climatizado no melhor estilo Disney, com montanhas russas e outras atrações radicais. Conhecemos também o circuito Yas Marina, onde no começo de novembro foi realizada prova de Formula 1.

Resumindo, foram 10 dias intensos, de grande absorção visual de elementos arquitetônicos e muita confraternização entre o grupo, que volta, com certeza, diferente de como chegou àquelas terras orientais.

Que venha a Terceira Missão Empresarial do GEMARQ!


Acompanhe o Gemarq no Facebook! Siga-nos no Twitter!